segunda-feira, 9 de junho de 2008

Sentir ou não Sentir?


- Corre! Rápido! - Gritava a minha mãe da sala de estar.
- Já vouuu - Dizia o meu pai a correr em direcção à sala, quase que tropeçando no tapete.
Ouviu-se depois um silêncio absoluto, e eu já sentia o calor da mão do meu pai na parte de fora da casinha. E eu quieta, sem mover um dedinho que fosse.
- Ela parou. Sentes para a próxima vez – disse pesarosa a minha mãe.

Era a décima terceira vez que o meu pai me interrompia na minha ginástica matinal. Mas será possível?! Uma rapariga a querer exercitar os músculos e a mente, que ainda tem uma casinha para arrumar, e é importunada desta maneira? Eu tinha acordado super bem, e tinha estipulado que o dia seria de exercício. Seria, claro, se o meu pai deixasse.


- Espera que vou aqui esparramar-me no sofá, e ela vai ter muito espaço para se mexer - dizia a minha mãe para alimentar a esperança e elevar a moral do meu pai.
- Sara, então deixa lá o pai sentir-te! - Pedia carinhosamente o meu pai.

Mas que querem, eu só queria fazer ginástica, e não gosto que me interrompam!

Beijocas!

4 comentários:

liliana disse...

Parece-me que a Sara vai ser uma menina com uma personalidade muito forte! Tão pequenina e já a fazer estas coisas ao papá!

Beijinhos e boa semana :)

Cristiana disse...

Olá,
sim, ela vai ter uma personalidade bem vincada.
É isso mesmo Sara, nos dias de hoje não se pode ceder nem um milimetro nas nossas decisoes!LOL
Beijocas

liliana disse...

Obrigada pelas tuas palavras simpáticas! :)

Beijinhos

Tété & Xavier disse...

Até parece mesmo que fazem de propósito ;o)