sábado, 12 de julho de 2008

Segunda Ecografia Morfológica

Olá a todos!

Cá estou eu de novo, para vos contar como foi a ecografia morfológica de despiste/evolução do problema da dilatação do rim detectado. Eis como tudo aconteceu:

Já passava das 21h quando Eu, a minha Mãe, o meu Pai a tia Kikas e a minha avó Belmira passavam a porta da Maternidade Bissaya Barreto em Coimbra. Era uma autêntica excursão e já com um ar de "romaria" em minha honra. Naquela altura, senti-me importante. Pensei, tanta gente que se preocupa comigo! Fora claro, todos os outros familiares que torciam por mim em casa. O senhor da bata branca foi chamado, e entrámos para a sala das ecografias. Ninguém falava, todos estavam com ar sério, incluindo o senhor da bata branca. Apenas eu me encontrava perfeitamente descontraída.

- Deite-se por favor - Ordenou o senhor da bata branca à minha mãe.
Mecanicamente, e sem dizer qualquer palavra, a minha mãe fez o que lhe tinha sido ordenado.
- Os restantes, por favor dirijam-se ao outro lado da sala, onde poderão ver tudo – Continuava o senhor da bata branca num tom autoritário.

A sala das ecografias era grande, ao centro estava disposta a maca, do lado esquerdo estava posicionado o ecógrafo e o computador. Num dos cantos da sala, havia uma televisão que estava ligada ao ecógrafo. Havia ainda uma secretária e uma cadeira, de aspecto escuro. A sala estava apenas iluminada por um candeeiro instalado na secretária, e pela luz que o monitor do ecógrafo emanava. O ambiente, era por isso, sombrio e frio, fazendo companhia aos pensamentos preocupados de toda a audiência.

Os minutos que se seguiram foram de completo silêncio. Sentia que o senhor da bata branca analisava cada centímetro da minha casinha, e de mim. O meu Pai ora olhava para a minha mãe deitada, ora para a televisão tentando não perder pitada.

- Cavidades do coração ok - Disse finalmente o senhor da bata branca, dando inicio ao exame.

E mal começou a análise ia explicando tudo o que se via no monitor. O meu Pai estupefacto, abria e fechava a boca sem parar. Nada disto tinha acontecido na morfológica anterior, nada tinha sido explicado, tudo tinha ocorrido depressa demais. Tão depressa, que desde que começou a ecografia até ao seu término decorreram 8 minutos. Agora tudo estava a ser diferente! O senhor da bata branca continuou, e até analisou partes de mim, que nunca antes tinham sido verificadas.

- Vamos ver então agora os rins - Anunciou o senhor da bata branca, depois de ter analisado inúmeras coisas, onde já tinha passado cerca de 1h. Os instantes seguintes foram de expectativa total. Eu, que já estava completamente trocada de tanto abanarem a minha casinha, conseguia ainda sentir o coração do meu Pai a bater mais depressa e a egolir em seco.

- Dilatação dos rins normal - Ouviu-se pouco depois. Bem, o meu Pai deu um salto de alegria, e pouco faltou para os restantes acompanhantes fazerem uma festa e abraçarem-se todos. Até o senhor da bata branca foi contagiado pela alegria e por instantes perdeu a seriedade que até então o tinha caracterizado. Depois da agitação inicial, lá nos explicou, que a dilatação dos rins deve-se medir transversalmente (onde consegui 5 milímetros em cada rim) e não longitudinalmente (onde dava os tais 7 milímetros). Disse ainda que os 5 milímetros são perfeitamente normais para a minha idade, e que dependia do líquido que eu bebia, e este variava bastante! (Bem, eu aqui nesta parte calei-me e não referi que às vezes sinto assim sede, e dou uns golinhos.) Que estava tudo bem!

Bem, como é de esperar foi o alívio completo aqui em casa!
Bom fim-de-semana!

2 comentários:

liliana disse...

Que boas notícias!!!
Eu já sabia que assim era... ;)

Beijinho para ti, Sara, e outro muito especial para a mamã

Tété & Xavier disse...

Nada melhor do que saber que está tudo bem... fico feliz que assim seja ;o)
Beijos
Tété & Xavier